© Addison House

O mobiliário de luxo é um mercado em constante crescimento nestes últimos anos. Tamanha, porém, é a oferta nesse mercado que nos leva a desejar saber como realmente é possível distinguir móveis de qualidade, até que ponto o preço é determinado pela marca e como se justifica, por exemplo, pagar-se US$ 10,000 por um sofá.

Para dirimir essas dúvidas, visitamos dois dos principais mostruários de mobília de luxo de Miami, com o propósito de descobrir o que os torna tão especiais e por que gente do mundo inteiro visita esses showrooms em busca de seus produtos: a Artefacto, com móveis de design exclusivo feitos à mão, e a Addison House, com suas marcas europeias importadas.

Artefacto

O gosto pela beleza, o detalhe e a qualidade dos italianos se encontram com a paixão, o design e a natureza dos brasileiros. Bem-vindos ao mundo Artefacto, os artesãos de móveis luxuosos de aconchego contemporâneo.

Paulo Bracchi
Tudo começou com o avô Bracchi que emigrou da Bolonha para o Brasil onde montou uma fazenda. Seu filho, Albino Bracchi, aos dezessete anos, abriu uma pequena fábrica de queijos. Um apelo de seu melhor cliente, que acabara de se declarar em falência, trouxe a oferta de pagamento pelos queijos com máquinas de carpintaria. Assim, por acaso, nasceu o embrião do que mais tarde seria a Artefacto. Albino começou a fabricar escrivaninhas para estabelecimentos de São Paulo. Em apenas quatro anos, já possuía duzentos empregados. O filho de Albino, Paulo Bracchi, aos dezessete anos, entrou para a empresa. Depois de uma viagem de seis meses ao redor do mundo, voltou para São Paulo com a ideia de revolucionar o negócio da família com a fundação, em 1975, da Artefacto, uma empresa dedicada à produção e à comercialização de mobília contemporânea dotada de um luxo acolhedor de vocação ecológica, cuja matéria-prima natural e processos sustentáveis de fabricação resultam em desenhos únicos e exclusivos, inspirados por arquitetos como Sérgio e Cláudio Bernardes, Oscar Niemeyer, Maccio Kogan e Isay Weinfield.

A Artefacto emprega hoje mais de cem mil funcionários, possui 25 showrooms no Brasil e tem presença em Miami com uma sala de exposições em Coral Gables (1580 m---2), outra em Aventura (4180 m2), considerada o maior showroom de mobiliário contemporâneo de luxo do norte da Flórida, e ainda uma terceira, inaugurada em Doral, a mais especializada em sua linha Passport.
Para entender o conceito e o produto da Artefacto, é preciso conhecer Paulo Bracchi, líder, enérgico, apaixonado, genuíno, sensorial, aventureiro, criador e comerciante nato. Paulo Bracchi, descendente de segunda geração no mundo do mobiliário de luxo, se ilumina com um sorriso largo e sedutor, quando fala sobre os filhos gêmeos de 17 anos, Pietro e Bruno, a terceira geração da Artefacto: “Pietro é um vendedor criativo. Bruno, por sua vez, é o parceiro perfeito; está aprendendo tudo sobre estratégia, administração e planejamento. É importante que vejam todos os processos e deles participem. O cliente da Artefacto é uma pessoa bem-sucedida, ocupada, que valoriza a qualidade, quer algo diferente, contemporâneo e acolhedor. Aqui oferecemos algumas salas de exposição onde podem sentir a experiência de viver com móveis da Artefacto, colaborar com nossos designers de interiores, escolher entre as peças de nosso extenso inventário ou fazer encomendas personalizadas”.

Sete aspectos que distinguem os móveis da Artefacto

• Desenhos próprios exclusivos, incluindo-se peças únicas ou de produção limitada
• Fabricação própria e exclusiva no Brasil
• Revestimentos de primeira qualidade, madeiras exóticas
• Processos de fabricação e matérias-primas sustentáveis
• Serviços de decoração de interiores incluídos
• Possibilidade de entrega quase imediata
• Possibilidade de móveis sob medida e personalizados

Max Alcalay e Alberto Camhi
Addison House

Dois calenhos, Max Alcalay e o primo Alberto Camhi, nos falam sobre a empresa deles em Miami, a Addison House, líder em mobiliário europeu contemporâneo de alto padrão.

Max chegou a estudar engenharia em Miami há 25 anos, porém, numa reviravolta do destino, teve a oportunidade de adquirir um pequeno negócio de mobiliário, a Addison House. Começou a vender móveis clássicos que eram muito procurados na época. Dezessete anos atrás, o arquiteto Alberto Camhi decidiu mudar-se da Colômbia e se associar a ele; e assim encontrou sua verdadeira vocação. Max é responsável pelo marketing, o planejamento estratégico e pelas vendas; Alberto, pelas compras e pela administração. Aos poucos, ambos foram definindo e orientando o conceito Addison até chegarem ao móvel contemporâneo europeu de alta categoria. Conseguiram representação de mais de 100 empresas da Europa, do Brasil e da Indonésia. A Addison House cresceu e se tornou referencial de grandes empresas europeias do ramo de móveis contemporâneos em Miami com lojas em Doral e Aventura e também no Panamá. Seu último projeto foi a abertura de mais uma loja em Aventura, o universo Addison Kids que é um setor dedicado ao mobiliário contemporâneo europeu de alta qualidade com acessórios coloridos e divertidos para crianças e adolescentes.

“A maior dificuldade está em encontrar os locais adequados num mercado mobiliário tão dinâmico como o de Miami”, diz Max. “Nossa meta em médio prazo é abrir uma loja mais ao sul de Miami e duas mais no formato Addison Kids. Dispomos também de um amplo inventário de alto padrão capaz de prover satisfação imediata às necessidades do freguês.”

Alberto nos explica como é importante para eles a relação pessoal com os fabricantes a quem visitam duas vezes por ano. É igualmente relevante marcar presença em feiras internacionais onde se atualizam em termos de tendências. “A nova tecnologia afeta a seleção de mobiliário”, diz ele. “Por exemplo, a estante modular tende a desaparecer, assim como o conceito e o design do gabinete de TV clássico. Por outro lado, tudo o que é de couro ecológico ou imitação de couro, ou seja, de algum material sofisticado que transpire e que, ao tato, dê a sensação de pele, é cada vez mais usado ​​em cadeiras da sala de jantar e cabeceiras de camas.”  

Sete aspectos que distinguem os móveis da Addison House

• Marcas europeias de reputação 
• Fabricação na Itália e na Espanha
• Revestimentos de primeira qualidade e couro ecológico 
• Preço razoável dentro do setor de mobiliário de qualidade
• Serviços de decoração interior incluídos 
• Possibilidade de entrega imediata
• Garantia de 25 anos de experiência

Os sete pontos de um móvel de luxo

1. Qualidade do material 

• A madeira.  Procure espécies de madeira dura que não se riscam facilmente, como mogno americano, faia, nogueira, carvalho europeu, freixo, ébano e teca que são geralmente as mais caras. No caso do móvel contemporâneo europeu, deve-se ter um mínimo de nove camadas.

• Estofamento de sofá. Recheio de plumas, caso se queiram almofadas macias que perdem a forma quando nos sentamos; capas internas para evitar que as pontas escapem pelo tecido do sofá; ou a combinação de plumas e Dacron™ (fibra de poliéster e plumas de sofás), caso seja preferível que as almofadas não percam a forma. As almofadas devem ser reversíveis.

• Revestimento. A única maneira padronizada de comparar as qualidades entre fabricantes é com base nas características do revestimento, que são simplesmente os termos usados pela indústria para descrever o tratamento de pigmentação, a textura e a durabilidade. Esses termos são: anilina, grão e correção. Anilina: quando o revestimento não tiver sido tratado com qualquer tipo de corante; é a menos resistente a manchas e a mais cara. Semianilina: é o revestimento que já foi previamente tingido ou sofreu alguma pigmentação, porém de forma translúcida, de modo que se veem algumas das qualidades naturais do revestimento. Pigmentado: o revestimento é tingido com tinta opaca, normalmente estampada com a textura que imita algum tipo de revestimento especial; é o mais durável e mais barato. Couro de grão superior: refere-se à parte mais externa do animal e é mais durável. Quando este couro é polido, diz-se que é corrigido, e com ele se obtém o efeito aveludado Nobuk. Camurça ou grão inferior: é a pele por baixo do couro superior; é menos durável, tem menos marcas naturais e custa menos. Quando esta pele é polida, diz-se que é corrigida, e nela se obtém o efeito felpudo. 

2. Qualidade da confecção

Os móveis de madeira de alta qualidade são fixados por meio de parafusos ou cavilhas de madeira em vez de cola, pregos ou grampos. Os cantos são reforçados com blocos, e o painel traseiro é aparafusado de forma invisível; isso vai dar mais estabilidade à peça. Verifique a existência entre gavetas, prateleiras de armários, escrivaninhas, uma lâmina de madeira que protege o conteúdo das gavetas.
 
3. Alternativas ambientais: o couro ecológico

O couro sintético é produzido com restos e recortes de peles relacionadas a produtos como o algodão. Com efeito, o termo eco-pele surge, porque os produtos com os quais a pele é curtida e que lhe dão o acabamento são naturais, e muitas legislações internacionais exigem que sejam biodegradáveis.

4. Funcionalidade 

Se um móvel não cumpre a função para a qual foi criado, simplesmente não é um móvel bom, mas apenas uma escultura.

5. Desenho

Cada vez mais as fábricas de móveis apostam na parceria entre designers e arquitetos de prestígio que projetam móveis com exclusividade para a sua marca, e outorgam certificados que garantem ser a peça original. Nestes casos, dependendo da reputação do designer ou do arquiteto, o móvel se torna um bom investimento.

6. Marca 

Na decoração, existem também as marcas de luxo. Este status é conseguido pela criação de um mundo de aspirações por meio da publicidade, o desenho dos showrooms, a qualidade e a exclusividade dos produtos, o preço e o serviço.

7. Exclusividade

Peças únicas, exclusivas ou de fabricação limitada adquirem um valor agregado que se reflete no preço.