Entrevistando a Juan Luis Guerra


No rádio e na televisão, ele é jornalista, colunista e também autor; de Santiago de Cuba para Toronto, e agora em Miami; na luta contra a obesidade para um corpo saudável. O caminho de Ismael Cala foi árduo e tortuoso, mas ele jamais perdeu o sorriso cativante nem o poder de ouvir, aptidões que dele fizeram o mestre da entrevista.

Quando um convidado se acomoda diante de Ismael, bastam poucos segundos para que se desvaneça a ansiedade gerada pelas câmeras e pelo calor das luzes brilhantes de um estúdio de televisão. Aquele permanente sorriso de dentes alvíssimos nos traz tranquilidade e provoca a curiosidade de saber quem é o dentista dele. A ternura embutida nas perguntas faz com que o convidado se sinta em casa. Ismael Cala sabe tirar o melhor dos entrevistados sem que percebam.

“Quando não se consegue criar para o convidado um clima de confiança e segurança nos primeiros 30 segundos, nada mais há a fazer. É preciso começar num tom adequado. Afinal de contas, não faço entrevistas para julgar quem quer que seja. Quero simplesmente conversar”, diz Ismael Cala cujo propósito básico é, a um tempo, informar e entreter o público.

E como você supera os momentos tensos com os convidados? “Com humor. Tive alguns convidados destituídos de senso de humor e sempre me lembro do que me disse um dia o mestre da cinética Carlos Cruz Díez do alto de seus 90 anos: ‘Desconfie de quem não ri!’”

Ele acaba de publicar seu primeiro livro, no qual desnuda a alma. O Poder de Ouvir nasceu após “dois anos a puxar os cabelos das musas e cinco meses de isolamento para poder escrever”, diz o astro da CNN em espanhol. O próximo livro está a caminho e já tem título: Um Bom Filho da P, onde o P significa paixão, paciência, perseverança e muitos outros pês e todas as letras sábias.